Maiorca

Após uma longa ausência, eis-me de regresso. Como fui atacada pelo síndrome pós-férias mal cheguei a casa, só hoje é que consegui escrever este artigo.

As férias correram muito bem apesar de ter tido uma série de contratempos, pois fiquei sem uma unha do pé esquerdo o que me impediu de ir à água durante alguns dias.

Fiquei fã de Palma, especialmente da zona sudeste da ilha. Da próxima vez tenho de visitar também a zona norte pois ouvi dizer que também tem praias paradisíacas.

Fiquei na zona de Can Pastilla no Hotel Nautic e não tenho nada a apontar de negativo em relação a este hotel. Adorei tudo, desde a zona em que estava situado (estava longe da confusão e ao mesmo tempo perto de tudo), aos funcionários, às praias localizadas nos arredores, ao sossego, etc. Confesso que ia um pouco a medo pois antes de ir li em alguns blogs muita gente a queixar-se dos hotéis, da comida, do barulho e da confusão. Este hotel para além de ter sido completamente reformulado e ter passado de um 3 estrelas para 4 estrelas tem uma decoração muito boa e em relação a outros hotéis ali à volta achei que este se destacava. Sem dúvida que foi uma boa opção.

As férias em Palma resumiram-se essencialmente a praia e passeios à noite (todos os dias percorríamos uma grande parte da Baía de Palma, ou seja, uns 3 ou 4km). Também visitámos Palma num dia e fomos ao Arenal algumas noites, mas ao contrário do que eu pensava não dá para se ir a pé até ao Arenal.

Neste artigo queria essencialmente falar sobre um passeio que recomendo a toda a gente.

Tratámos de alugar um carro, com bastante antecedência, pois a procura é muita, e com o trabalhinho de casa todo feito, partimos à descoberta. Saímos bem cedinho pois tínhamos um grande passeio para fazer.

Perto do aeroporto, apanhámos a MA-19 em direção a Santanyí, saímos em Campos e rumámos em direção à Colónia de Sant Jordi. Um pouco antes virámos para a Praia Es Trenc e pelo caminho vimos uma parte das Salinas de Levante.

Praia Es Trenc
Praia Es Trenc

Quando cheguei à praia Es Trenc, bastante conhecida, tive uma desilusão. Não pela praia em si, que achei lindíssima, saída de um filme, mas porque a afluência de pessoas em tempos foi tanta, que agora há necessidade de limitar os acessos e por isso estão a cobrar €6 pela entrada na praia. Achei um roubo especialmente porque o objetivo é que a praia recupere a sua beleza mas no entanto existe muito lixo espalhado pelo chão.

Cala Es Caragol
Cala Es Caragol

Daqui seguimos novamente em direção ao povoado de Colónia de Sant Jordi e fomos percorrendo as várias praias que se seguiram.

Passámos pelas praias Es Caragol e Caló des Marmols, que apesar de mais pequenas do que Es Trenc têm muito menos gente e não têm taxas de entrada.

Daqui seguimos para a cidade de Cala d’Or e um pouco antes de chegar, virámos para a Cala Mondragó, uma praia que é um autêntico paraíso. Almoçámos rapidamente no restaurante da praia e seguimos viagem, pois ainda tínhamos muita coisa para ver.

Cala Ferrera
Cala Ferrera

Seguimos novamente as placas em direção à Cala d’Or e aqui descobrimos a Cala Ferrera, outra praia paradisíaca. Nunca tinha ouvido falar de Cala d’Or e fiquei maravilhada com as praias belíssimas que aqui se encontram: Cala Ferrera, Cala Esmeralda, Cala Mitjana, etc..

A partir daqui rumámos em direção a Porto Cristo e não visitámos mais nenhuma praia. Pelo caminho ainda queríamos ter visitado a Cala Romântica, mas não havia tempo.
Quando chegámos a Porto Cristo fomos diretos às Coves del Drach (Grutas do Dragão) e ficámos fascinados.

Quem vai a Maiorca e não visita estas caves é como ir a Roma e não ver o Papa. A visita demora cerca de uma hora e termina junto ao Lago Martel (um dos maiores lagos subterrâneos do Mundo – 177m de comprimento e 30m de largura). Junto ao lago existe uma espécie de anfiteatro com bancos corridos para todos os visitantes se sentarem e, com as luzes apagadas, completamente na escuridão, começa o espetáculo. Do fundo do lago surgem 3 barcos com pequenas luzes em redor, num deles está um violinista e um organista e tocam 4 peças clássicas.

No final do concerto é possível andar nos barcos e sair pelo lago Martel, a viagem não é longa mas acho que vale a pena pois é uma coisa surreal.

Cuevas del Drach
Cuevas del Drach
Cuevas del Drach

Depois de sairmos das grutas apanhámos a estrada em direção a Manacor, onde se encontra a famosa fábrica de Pérolas.

Fica então aqui uma dica de um passeio que podem fazer se algum dia forem a Palma.