Madrid

Num fim de semana prolongado, eu e um grupo de amigos rumámos em direção a Madrid, uma cidade cuja beleza e interesse eu desconhecia completamente.

Primeiro dia

Como chegámos ao final da tarde fomos logo diretos para o restaurante El Respiro na zona da Chueca na Calle de las Infantas, nº 34. Este é um restaurante muito especial e bastante concorrido, pois por cada bebida que se pede eles oferecem diferentes tipos de tapas e à medida que se pedem mais bebidas, a qualidade e quantidade das tapas também vai aumentando. Pode-se dizer que nessa noite não passámos nem fome nem sede.

Segundo dia

O segundo dia foi reservado inteiramente para o Parque Warner, um dos melhores parques temáticos de Espanha com as suas imensas montanhas russas e muita adrenalina.

Este parque situa-se em San Martín de la Vega, a cerca de 25km de Madrid e para lá chegar há várias alternativas. Nós optámos por apanhar o comboio em Atocha, mas não me recordo se tivemos de trocar de comboio ou se a viagem foi direta.

Terceiro dia

Já o terceiro dia foi reservado para visitar a cidade de Madrid.

De manhã começámos pela Gran Via e entrámos na H&M mais fantástica que alguma vez vi. Antes de ser convertida em loja, foi um teatro e vale bem a pena entrar para ver a sua beleza.

Loja H&M em Madrid
Loja H&M em Madrid

Depois de visitarmos a loja seguimos para a Plaza del Callao, onde se encontra um dos muitos El Corte Inglês existentes em Madrid. Entrámos e subimos ao último andar onde se encontra um café com uma vista panorâmica fantástica sobre a cidade de Madrid.

Daqui seguimos pela Calle Preciados em direção à Puerta del Sol, uma praça central de Madrid bastante movimentada. Nesta grande praça encontra-se o símbolo da cidade de Madrid, uma estátua de bronze de um Urso “El Oso Madroño”. Também é nesta praça que se localiza o Km 0 das estradas nacionais de Espanha e que fica em frente à Casa do Relógio.

La Puerta del Sol
La Puerta del Sol

Depois de darmos uma volta pela praça seguimos pela Calle Arenal em direção ao Palácio Real.

No caminho passámos pela Librería San Ginés, uma livraria histórica do séc. XIX que vende maioritariamente livros em segunda mão. Por trás desta livraria encontra-se a famosa** Chocolateria San Ginés** muito conhecida pelos churros com chocolate.

Ao lado da livraria encontra-se a Igreja de San Ginés, uma das igrejas mais antigas de Madrid.

Continuámos a percorrer a Calle Arenal e no caminho passámos pela Plazza Isabel II, onde se encontra o Museu da Ópera. Por trás do museu encontra-se a Plaza de Oriente e o Palácio Real. Como a fila para entrar no Palácio era enorme decidimos tentar novamente no dia seguinte. Assim, decidimos ir em direção ao Templo de Debod passando primeiro pelos jardins públicos do Palácio e pela Plazza de España.

O Templo de Debod, é um dos poucos testemunhos arquitetónicos núbio-egípcios completos que podem ser contemplados fora do Egipto. Foi construído no sec. IV a.C. para reverenciar o deus Amun e até há algumas décadas atrás situava-se no Egipto. Inicialmente as suas paredes tinham ilustrações mostrando o rei Adijalamani como um faraó do egípcio doando oferendas aos deuses, mas a maioria das pinturas desapareceu completamente quando o templo ficou submerso no rio de Assuão.

Mais tarde, o templo foi doado a Espanha pelo Estado Egípcio em agradecimento pela ajuda prestada no salvamento dos templos de Abu Simbel. Foi assim transferido pedra por pedra para Espanha. O templo foi exposto a um complicado trabalho de reconstrução e restauração, o que implicou a instalação no seu interior de ar condicionado quente para criar uma atmosfera seca que se aproximasse do clima de Núbia. Para representar o rio que o templo tinha nas suas proximidades, construiu-se um tanque de pouca profundidade que se estende ao longo dos três portais de acesso ao templo.

No regresso, passámos novamente em frente ao Palácio e entrámos na Catedral de Almudena que se encontra mesmo ao lado e que se encontra sobre uma antiga muralha árabe que rodeava Madrid.

A Catedral de Almudena (Catedral de Sta Maria a Real de la Almudena) é a sede episcopal da diocese de Madrid e tem 102 metros de comprimento e 73 de altura. Esta Catedral foi a primeira Catedral espanhola a ser consagrada pelo Papa João Paulo II. Vale a pena entrar e apreciar a sua beleza, principalmente ao nível do teto e do órgão de tubos.

Da catedral, descemos por uma pequena rua (ainda pertencente à Calle Mayor) até ao Parque del Emir Mohamed I onde se encontra a Muralha Árabe, onde nasceu Madrid no sec. IX. Nesta altura Madrid chamava-se Mayrit (terra rica em água). Mais tarde o Palácio Real e a Catedral de Almudena foram construídos sobre uma grande parte desta muralha. Atualmente apenas é possível ver uma pequena parte do que antes fora uma fortaleza, a partir da qual se desenvolveu o núcleo urbano de Madrid.

Contornámos as ruínas e regressámos à Calle Bailén, a mesma rua do Palácio e da Catedral de Almudena. Continuámos para sul e passámos pelo Viaducto de Segovia, com 23m de altura e que é popularmente conhecido como el puente de los suicidas. Alguns quarteirões depois chegámos à Basílica de Francisco el Grande, uma Catedral Real construída na segunda metade do século XVIII em estilo neoclássico. Destaca-se pela sua cúpula, que é considerada uma das maiores das igrejas Cristãs.

Aqui perto, apanhámos o metro e fomos até ao Paseo de la Castellana onde se localiza o famoso complexo Four Towers Business Area também conhecido como CTBA. Este é um complexo financeiro onde se encontram os maiores arranha-céus da cidade e do país (Torre Espacio, Torre de Cristal, Torre Sacyr Vallehermoso e a Torre Caja Madrid), concluídas em 2008.

A avenida que liga este complexo à cidade é enorme mas é onde se encontra a maioria dos edifícios do ministério, algumas embaixadas, a Plazza de Castilla e o Estádio Santiago Barnabeu, pelo que decidimos ir a pé.

Na Plazza de Castilla encontram-se as Torres Puerta de Europa ou KIO. São duas torres inclinadas uma contra com uma inclinação de 15° em relação à vertical e com uma altura de 114 m (26 pisos).

Quatro Torres Business Area
Quatro Torres Business Area

Puerta de Europa
Puerta de Europa

Continuámos a andar pela avenida e passámos pelo Estadio Santiago Bernabéu onde vimos o carro do Cristiano Ronaldo. Ainda ficámos à espera que ele aparecesse mas não o chegámos a ver. Continuámos mais um pouco e passámos pelas Torres Picasso e pelo BBVA.

Nesta praça decidimos apanhar o Metro em direção ao Passeo del Prado e visitar toda esta zona. Entrámos no edifício CaixaForum Madrid, passámos pela Puerta de Alcalá, pela  Plaza Cibeles (onde se encontra a Fonte de Cibeles), pela fonte de Neptuno e pelos jardins do Parque del Retiro.

O Parque del Retiro é um autêntico pulmão de Madrid, onde se encontra a Real Academia Espanhola, o  Estanque de las Campanillas, a Estátua do Afonso VII, o Quiosque de la Música e o Palacio de Cristal (antiga estufa de plantas exóticas da rainha).

Estátua do Afonso VII
Estátua do Afonso VII

Palácio de Cristal
Palácio de Cristal

À noite fomos comer uma tostadas deliciosas na La Aguja Calle del Ave Maria e depois fomos ao Pepe Botella famoso pelos seus Mojitos.

Quarto dia

No dia seguinte visitámos o Palácio Real de Madrid, também denominado de Palácio do Oriente. Este palácio é a residência oficial do Rei de Espanha e como tal só determinadas áreas do Palácio e do Jardim estão abertas ao público.

Depois da visita ao Palácio, fomos ao Museo del Prado e à San Jerónimo el Real, uma igreja lindíssima.

Para além de todos estes locais referidos em cima ainda passámos por diversos locais emblemáticas de Madrid: Plaza Mayor, Calle de Alcalá (uma das principais ruas de Madrid e que começa na Puerta del Sol), Bairro da Chueca, etc.